Periodontite, endocardite e retração gengival

16 de setembro de 2015 17:52
   


Veja como a doença periodontal (gengivite e periodontite) pode provocar a endocardite bacteriana, uma grave infecção no coração. Veja também como o tratamento da periodontite inevitavelmente produz algum grau de retração gengival, comprometendo a estética do seu sorriso. | Sempre consulte um dentista para esclarecimentos e adaptações individuais ao seu caso.

Compartilhado por: Clínica Dental Pardiñas | produção: Mad Mouse Studio | sinopse e tradução: RBC | tradução e legendas: EAN

a transcrição das legendas traduzidas.

O acúmulo de placa e tártaro ao redor dos dentes podem afetar as gengivas que os cercam, cujos sintomas podem ser inflamação, sangramento e mau odor. Quando o osso ainda não foi afetado, então estamos falando de uma gengivite. As bactérias presentes no tártaro podem entrar nos vasos, viajar pela corrente sanguínea e, portanto, afetar qualquer outra parte do corpo.

Isso é especialmente importante em pacientes com problemas cardíacos, ou que receberam uma substituição de válvula ou transplante. Essas bactérias do tártaro podem chegar até as válvulas do coração e se aderir a elas, provocando uma infecção chamada de endocardite.

Se o tártaro e a placa continuam se acumulando sem tratamento, o osso que rodeia e retém os dentes pode começar a se reabsorver, produzindo uma periodontite. Os sintomas da periodontite incluem: uma gengiva descolada dos dentes, sangramento, mau hálito, mobilidade dental, retração da gengiva etc. Quando o osso é reabsorvido, vai-se criando um espaço entre a gengiva e o osso, chamado de bolsa periodontal, onde as bactérias se acumulam e proliferam, e onde o paciente já não consegue higienizar.

Para tratar esse problema, é preciso eliminar o tártaro, tanto o superficial quanto o mais profundo, e remodelar a gengiva para eliminar a bolsa periodontal, deixando a gengiva ao nível do osso. Para isso, se utilizam diversos instrumentos, como curetas e aparelhos de ultrassom.

O objetivo é eliminar todo o tártaro e o tecido danificado, deixando o dente livre da placa e do tártaro.

Uma vez feito esse procedimento, a gengiva se retrai e as raízes dos dentes podem ficar expostas, produzindo, por sua vez, sensibilidade e problemas estéticos. O que se consegue com esse procedimento não é recuperar o osso perdido, mas apenas conter o avanço da doença, obtendo-se um estado de saúde gengival e eliminando-se as bolsas periodontais para que o paciente possa realizar uma higiene bucal adequada.


172
Visualizações